Principais causas de falhas de compatibilização

Principais causas de falhas de compatibilização

A colaboração entre membros da equipe de projeto, de forma antecipada, é crucial para que o projeto final fique livre de colisões.
E os processos de modelagem da informação da construção (BIM) têm a capacidade de reduzir os conflitos entre as disciplinas, por meio da coordenação de projetos.
No entanto, as práticas de projeto atuais ainda são dependentes da compatibilização.
Segundo esses mesmos autores, o número significativo de colisões identificados pelas ferramentas de detecção de choques empregadas no projeto ainda é visto como um benefício do processo de clash detection.
No entanto, indiscutivelmente, a proliferação dessas ferramentas de detecção tornou mais difícil chegar a projetos livres de colisões.
Ir além das ferramentas de detecção de conflitos e investigar as raízes reais dessas falhas de compatibilização em projeto pode revelar que, na realidade, a cultura vigente e as práticas de trabalho existentes dificultam a prevenção dos conflitos.

As causas de falhas de compatibilização podem ser agrupadas em 10 principais grupos que apresentamos a seguir.

A. Falta de comunicação entre os membros da equipe de projeto

É apontada pela maioria dos experts consultados como a principal causa para o elevado número de colisões. Os membros da equipe de projeto, trabalhando
de forma isolada, cada qual em seu próprio escritório, em vários projetos simultaneamente, não se comunicam com a frequência ou com a profundidade necessárias.

Os projetos de cada disciplina seguem seu detalhamento sem tomar conhecimento suficiente do trabalho feito pelos demais, ampliando a probabilidade de surgirem interferências e conflitos entre eles.

B. Prazos insuficientes de projeto

Ainda que os prazos de projeto possam ser aparentemente longos, se medidos em termos de calendário, ou seja, pela sua duração total no tempo, na prática, o número de horas técnicas nem sempre é adequado.

Isso se explica pela existência de projetos em paralelo, combinada a interrupções e esperas que acabam consumindo o prazo estabelecido. Com isso, as soluções podem ser modeladas e entregues sem os necessários cuidados e verificações, dando origem a problemas de compatibilização.

C. Erros de projeto

Os erros de projeto, com origem no trabalho especializado de determinada disciplina, criando colisões ao serem superpostas a outras partes do modelo, são frequentes. Em parte, podem originar-se do uso inadequado dos softwares.

A falta de verificação dos elementos modelados, interna à disciplina e anterior ao compartilhamento, é outro fator associado à ocorrência dessas colisões.

D. Complexidade dos projetos

Quando o grau de complexidade dos projetos é maior, como no caso de edificações com alta densidade de sistemas prediais, ou com arquitetura inovadora
e sofisticada, há maior possibilidade de acontecerem erros ou omissões que terminam por se constituir em fontes de problemas de compatibilização.

E. Uso de projetos em 2D e em 3D

A coexistência de modelos com outros tipos de arquivos de projeto em duas dimensões, particularmente no caso de disciplinas consideradas como menos essenciais ao desenvolvimento dos projetos, é uma situação muito frequente e explicada pelos critérios de seleção e contratação de projetistas – com
ênfase em conhecimento técnico e experiência, por exemplo.

Essa condição leva o processo de projeto a um acúmulo de soluções, que, não podendo ser integradas a um ambiente comum de dados (CDE), precisarão ser compatibilizadas ao final do processo.

F. Projetos imprecisos (uso de placeholders)

Em etapas iniciais de projeto, nas quais os profissionais de projeto usam elementos genéricos para indicar a presença de um componente ou reservar um espaço, ou modelam de forma genérica esses elementos – utilizando-se os denominados placeholders –, há o risco de que esses elementos não representem de forma precisa a realidade do que vai ser construído, gerando problemas “ocultos” de compatibilização dos projetos.

G. Uso de nível de informação inadequado (detalhamento)

Apontada por número razoável de experts no tema, essa causa explica-se pela pouca definição das formas de produção e de avaliação do nível de informação contido nos modelos.

Com alguma frequência, projetos detalhados contêm elementos com diferente nível de informação, podendo, até mesmo, existir lacunas de informação significativas.

Ora, nessa condição, pergunta-se: como compatibilizar elementos de projeto virtualmente inexistentes, uma vez que eles não estão representados ou não estão detalhadamente representados no modelo?

H. Objetos com dimensões ou com folgas inadequadas

Os componentes de construção, de acordo com suas características de material, composição, estrutura, formas de fixação etc., devem apresentar dimensões e folgas adequadas à sua utilização.

Por exemplo, em alguns casos, uma folga deve ser deixada entre uma esquadria de porta e a parede, de modo a permitir sua fixação. Ou, em outras situações, a própria tolerância dimensional (erro estatístico de medidas de produção) deverá ser respeitada em projeto, sob pena de inviabilizar a execução no contexto do canteiro de obras: caso típico de peças de concreto moldado in loco. A desconsideração dessas medidas ou folgas constitui também falha de compatibilização.

I. Falta de conhecimento em modelagem da informação da construção (BIM)

Em um meio profissional que nem sempre remunera adequadamente os serviços de projeto e que não se pauta exclusivamente por mérito, o nível de conhecimento de ferramentas e técnicas de modelagem tende a ser bastante variável. Em uma equipe de projeto, habitualmente, esse nível de conhecimento será heterogêneo, o que não contribuirá para a prevenção da ocorrência de colisões.

J. Outras causas

Entre outras causas apontadas como sendo a origem dos problemas de compatibilização, ainda que com menor relevância ou frequência, estão: falta de prevenção de interferências e conflitos, alterações arquitetônicas tardias, forma de contratação de projetos tradicional.

Como saber mais sobre a compatibilização e como evitar esses erros?

Recomendo que você se aprofunde nesse tema e faça o curso BIM e Inovação em Gestão de Projetos.

Você pode conhecer o conteúdo desse curso do Prof. Leonardo Manzione clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *